sábado, julho 25

OBJETIVOS ORGANIZACIONAIS X OBJETIVOS INDIVIDUAIS

Venho percebendo, há algum tempo, que o Setor de Recursos Humanos (RH) tem sido disputado por vários profissionais: Administrador, Psicólogo, Pedagogo, Tecnólogo em RH... Mas quais são as verdadeiras intenções desses profissionais?
Nas aulas de Gestão Administrativa, tento esclarecer que o profissional de RH deve ter seus olhos voltados aos dois objetivos principais:
- Objetivos Organizacionais: Lucro, Desenvolvimento Organizacional, Visão de Mercado, Crescimento de sua Marca,...
- Objetivos Individuais: Um Bom Salário, Qualidade de Vida no Trabalho, em fim tudo que Abraham Maslow descreveu em sua Hierarquia das Necessidades Humanas.
O mais interessante é que participo de palestras onde os gestores de RH dizem: “Bem, nossa empresa cresceu 20% neste ano, e foram nossos colaboradores os principais responsáveis por esse crescimento”, ou, “Nos conseguimos a certificação ISO 9001, nossos colaboradores se empenharam muito para que isso fosse possível”. Ao final destas palestras eu pergunto: “E o que seu colaborador ganhou com isso?” depois de alguns segundos em silêncio alguns dizem: “Nada!!! Este é o trabalho dele, pois ele é pago para isso”. Mas será que é mesmo?
Quando falamos em alguns objetivos organizacionais que são um diferencial, uma forma de lucro, um projeto diferente do dia-a-dia, não pensamos como estaremos motivando estes colaboradores para que a nossa empresa alcancem seus objetivos. E o mais interessante Chiavenatto, descreve sobre esta troca de objetivo, insiste neste tema em seus livros, uns reclamam que ele é repetitivo, mas estes gestores ainda não conseguiram entender o espirito da coisa. Talvés eles não tenham trabalhado em uma linha de produção, assim como eu trabalhei, ou seja, só conseguem enxergar de cima.
Os gestores pedem aos colaboradores que deêm todo o sangue, para que a empresa alcance seus objetivos, a empresa consegue alcançar e o que recebemos é um “tapinha nas costas?” ou talvés nem um “muito obrigado”.
Prezados Gestores, não precisamos dar todo o lucro deste resultado positivo aos nossos colaboradores, mas devemos sim, atender as necessidades básicas da piramide de Maslow como: necessidades fisiológicas e as de segurança. Seria pedir muito se eu dissesse que as necessidades sociais e status tivessem que também ser prioridade para que os objetivo individuais fossem alcançados? E o de auto-realização então... Este nem pensar, não é? Seria muito para os seus colaboradores? Ou este ainda é inatingível?
Pensem Gestores ou Futuros Gestores de RH, não nos importa que sejam Administradores, Psicólogos, Pedagogos, Tecnólogos... O mais importante é o amor. Amor pela profissão, amor pela empresa e principalmente amor pelos indivíduos que são a razão de ser da empresa.