terça-feira, outubro 25

A importância do líder para a educação nas empresa.

Hoje quero falar um pouco sobre um assunto crítico. O papel do líder como educador nas empresas. É fato que os últimos tempos vêm exigindo muito das lideranças, já que são muitas as demandas de mercado, internas, novas tecnologias e outros fatores que tornam a posição de líder cada vez mais complexa. E é fato também que a tendência é que o cenário continue assim. E nesse rol de exigências, a meu ver, uma das mais importantes, senão a principal, está a representatividade dessa figura para seus liderados como um espelho de comportamento e conduta, um norteador de carreiras.

A literatura classifica vários tipos de líderes como de linha, de rede, executivos, mas para mim, em qualquer que seja a área, as pessoas necessitam mesmo desse líder educador. Aquele que pratica a gestão do compartilhamento e incentivo à formação continuada. E sempre há a pergunta: como é possível um líder educador em um ambiente de tensão e competitividade?

De acordo com Senge (2000), os líderes são de fato aqueles que desempenham um papel dentro das organizações que permita a tensão criativa, ou seja, que tenham a capacidade de identificar a energia que é gerada coletivamente na organização e canalizar essa energia em prol daquilo que determina como o melhor rumo para a empresa e as pessoas, conforme suas análises da realidade. Esses líderes seriam, então, não somente gestores de processos, mas principalmente, norteadores de seus liderados para as melhores formas de se fazer, se aprender e se criar o futuro. É o desafio de entender a dinâmica que a atividade impõe e transformar esses desafios em oportunidades de aprendizado contínuo.

Uma outra classificação encontrada na literatura que vem de encontro a esse meu pensamento sobre o líder educador fala do líder coach, que assume o compromisso de apoiar as pessoas a alcançarem objetivos, sempre valorizando as habilidades e possibilidades de cada um. E em tempos de constantes mudanças, a ação desse líder é fundamental em vários aspectos:

- Acompanhar o desempenho de seus liderados e primar pelo exercício constante dofeedback, valorizando os pontos positivos e orientando sobre como melhorar comportamentos ainda conflitantes com a cultura que se espera criar na organização;

- Estar preparado para adaptar o repertório em face da diversidade que existe na empresa. Cada pessoa tem um perfil e necessidades específicas. Ao líder coach cabe entender o estilo de seus liderados e, com base nisso, direcionar sua orientação e a definição de responsabilidades;

- Delegar é um ponto crítico e não se pode auxiliar um liderado e proporcionar crescimento a ele, se as responsabilidades atribuídas não são realizáveis. Assim, o líder precisa estar atento às habilidades de cada um, suas limitações e, juntamente com o liderado, traçar um plano de desenvolvimento que seja executável, em prazos também reais e possíveis;

- Dar exemplo e encorajar também é fundamental. Estar engajado nas ações de educação e, principalmente, encorajar a iniciativa e a independência, o valor da colaboração para a sedimentação e “blindagem” do conhecimento organizacional. Estimular a troca de idéias, sugestões e soluções de sucesso. Isso gera confiança e referência no líder como um incentivador do desenvolvimento de cada pessoa.


Para quem trabalha com educação corporativa, o suporte e participação dos líderes é uma das melhores estratégias para bons resultados. E isso independe do nível hierárquico da liderança. Enquanto se desenvolvem e se aplicam programas e ações de educação, das mais diversas formas e modalidades, a atuação simultânea dos líderes vai dar legitimidade e validar essas ações na ponta.

Como é a sua vivência em relação a isso na sua empresa?

Compartilhe conosco suas experiências!

Até o próximo!

Ubirajara Neiva
Gestor de Educação Corporativa e Relacionamento
Postar um comentário